Loading...

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Um pouco sobre a tragédia de Santa Maria...


A tragédia de Santa Maria, muito se comentou sobre o fato lamentável que ocorreu na boate Kiss. E não era pra menos, o ocorrido que tirou a vida de 237 jovens teve repercussão internacional, chocou o país, interrompeu sonhos e projetos de vida, apagou a alegria de uma cidade de jovens e ascendeu o sinal de alerta para a questão de segurança nos estabelecimentos privados de diversão em todo o país.  As famílias choram, enterram suas vitimas e cobram o inexplicável, a imprensa faz uma cobertura sensacionalista como sempre, as autoridades tentam dar explicações...

Apesar da grande enxurrada de respostas e explicações, teses para todos os gostos, cores  e correntes de opinião...  acharam centenas de culpados, desde o sistema religioso até o mais famigerado e agredido sistema político nacional... Pelo que tenho lido, percebo que as respostas ou os caminhos adotados pela maioria das pessoas não levam ao esclarecimento de tamanha tragédia, são respostas vazias e insuficientes, procura-se um culpado, alguns querem tirar proveito da situação e parece que não nos damos conta do momento histórico em que vivemos, das relações sociais que estabelecemos, das prioridades que adotamos. Vivemos uma sociedade de consumidores insatisfeitos, vivemos pela aparência, pelo ego, vivemos um mundo do faz de contas, e as vezes somos acordados subitamente deste sono profundo e alienante, mas mesmo acordados, não sabemos mais distinguir o que é real do que é sonho. 

Para mim as perguntas continuam sendo as mesmas. Por que uma tragédia desta proporção ocorreu? Por que mais de duas centenas de jovens perderam a vida em um momento de lazer e diversão? O que deu errado naquela madrugada? Por que o plano de segurança não funcionou? Tinha plano de segurança? As pessoas que trabalhavam no local eram preparadas para atender tanta gente? Quem autorizou o funcionamento deste estabelecimento? Se autorizou, fez a verificação correta de todas as questões de segurança? Sinceramente, eu, assim como a grande maioria das pessoas, não tenho as respostas, isso é algo que pertence aos especialistas e técnicos/peritos no assunto. Vamos imaginar que encontramos todas as respostas, será que ficaremos imunes a este tipo de tragédia? Será que, dando conta de resolver os problemas e as questões técnicas e operacionais estaremos livres das catástrofes? Acho que não...

Parece que já existe consenso sobre os culpados pela tragédia. A responsabilidade pelo ocorrido cabe ao Estado. Uma parcela da culpa fica com a prefeitura que é o órgão responsável por emitir o alvará de funcionamento ao estabelecimento e a outra parcela cabe ao Corpo de Bombeiros que tem a prerrogativa de emitir o alvará de segurança e funcionamento do local, as informações dão conta de que tal procedimento havia sido feito, porém o prazo de validade estava vencido. O Fato de estar vencido significa que antes de qualquer coisa, o estabelecimento havia sido autorizado tal qual ele se encontrava na noite da tragédia, significa que teve vistoria e que foi autorizado, esperava apenas pela renovação da autorização. Fato que se mostrou lamentável e contribui para uma tragédia.  

As normas e regras de segurança são sempre rígidas, mas sempre há um jeitinho de não cumpri-las. Os empresários geralmente alegam que é um desperdício investir tanto dinheiro em algo desnecessário, outros afirmam que não cumprem, pois se trata apenas de uma forma de os governos arrecadarem mais dinheiro e se cumprissem todos os requisitos de segurança inviabilizariam os seus negócios. Porém é preciso dizer, que alguns, mesmo que poucos cumprem as determinações e agem de acordo com o previsto, outros, simplesmente agem na clandestinidade. 

Do lado das autoridades, muitos alegam que geralmente não conseguem cumprir o seu papel, parece piada, mas não é. A principal questão esta no fato de que é comum no Brasil desrespeitar as regras, é comum empresário ter padrinho nos órgãos públicos que livram a sua barra. No outro lado, mas no mesmo campo e com a mesma opinião que os empresários, temos a população, “consumidores” que em sua esmagadora maioria não ligam para questões técnicas e operacionais para sua segurança, alguns simplesmente não sabem que isso existe e os que sabem não entendem para que sirva. Essa é outra tragédia, a meu ver a maior de todas, as pessoas se tornaram consumidores demais e cidadãos de menos. Mas isso é coisa para outro tipo de especialista.

Por fim, é do conhecimento de todos que a campanha de fiscalização e regularização dos estabelecimentos de entretenimento foi acionada em todo o país, percebemos que vários espaços foram fechados, outros estão em reformas e todos estão passando por vistorias. É um bom sinal, as autoridades competentes tomaram atitudes positivas em relação à segurança, agora podem falar e cobrar com toda a autoridade que lhes cabe.

Mesmo assim, permaneço com algumas dúvidas... solucionando as questões técnicas, os estabelecimentos garantirão segurança adequada aos usuários? Em tese sim.  Significa que teremos mais segurança e que tragédias não ocorrerão? Nem com bola de cristal. E como resolver questões do tipo: ascender um sinalizador em um ambiente fechado e com teto baixo e a galera vibrando? Como evitar que um local previsto para comportar até 1000 pessoas seja tomado por mais de 1500? Quem vai fazer este controle? O Dono do estabelecimento? Os seus seguranças? Ou será que as próprias pessoas se darão conta e vão desistir de entrar no local? Não creio que isso ocorra...

Existem situações em que as questões técnicas e legais por si só não resolvem e pouco podem fazer para evitar tragédias, a principal questão esta na atitude das pessoas, nas escolhas e nas relações que estabelecemos em sociedade. Atitudes mais conscientes e humanas podem ajudar a evitar tragédias, mas parece que não estamos interessados em nos preocupar, afinal pagamos impostos ao governo para que este tome conta de nós... se não der, a gente reclama, e se por regras demais, a gente reclama também. Não quero com isso, por a culpa somente nos consumidores, apenas quero dizer que na situação em que nos encontramos, todos são culpados e ninguém será salvo dessa tragédia que estamos construindo no planeta. 

Um comentário:

  1. boa análise Sergio! falando nisso, mira acá cabrón: ‎"A alegria de viver dos jovens, privatizada..." - a partir de Santa Maria, mudanças...
    http://t.co/1GQLin24

    ResponderExcluir