Loading...

domingo, 12 de maio de 2013

A “reenturmação” e o desmonte da educação.


O Governador do Estado promove a chamada “reenturmação” processo de juntar duas ou mais turmas de alunos. Ele argumenta que algumas turmas estão pequenas, com poucos alunos e o correto é junta-las. Argumenta que através desse processo seja possível economizar alguns trocados. Como? Ele reduz a carga horária de alguns professores, reduz os salários e faz a dispensa de alguns ACTs. Trata-se de um raciocínio lógico, porém simplista. Uma visão mercadológica da educação muito comum em governos que adotam políticas neoliberais.

É importante lembrar que este mesmo governador entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) nº 4.848 contra o art. 5º da Lei 11.738, que trata da atualização monetária anual do piso nacional do magistério. A Adin foi indeferida pelo Supremo Tribunal Federal – STF.

O Governador do estado trabalha para desmontar ainda mais a educação. Ele tentou rebaixar o papel e o poder da Lei do Piso Nacional. Ele ainda tenta esquecer e quer esconder da sociedade que a lei do piso é uma realidade não cumprida por ele. Ele quer barrar essa lei que tem entre seus objetivos equiparar a remuneração média do magistério à de outros profissionais – hoje a diferença é de 40%. O Governador, pelos seus atos e atitudes, demonstra que é contra a educação pública de qualidade e contra a valorização dos profissionais da educação.

Agora ele retoma sua cruzada contra a educação. Fazendo a “reenturmação” ele rebaixa o papel da educação, tenta ridicularizar os professores, desrespeita os alunos e os pais. O que ele esta fazendo é uma verdadeira ofensa contra a sociedade catarinense que necessita desse serviço público. A educação em Santa Catarina merece mais respeito, merece ser tratada com dignidade. É preciso que as entidades da sociedade civil organizada se manifestem em relação a esse desmonte. Educadores, pais e sociedade precisam denunciar estes abusos.

A sociedade melhora quando as pessoas são bem atendidas, respeitadas, tem seus direitos amparados e garantidos pelo Estado. As pessoas se tornam humanas e melhoram quando são bem tratadas e recebem uma boa educação. A educação melhora quando é valorizada em todos os seus aspectos: social, político, econômico e cultural. Mas aqui em Santa Catarina, ela parece não ter valor algum para o governo. O governador trabalha no movimento contrário, faz tudo para diminuí-la e sabe quem paga por isso? Todos nós, o povo de Santa Catarina, em especial as crianças, os adolescentes e os professores. 

Um comentário:

  1. CONCORDO CO SUAS PALAVRAS...AGORA TEMOS QUE TOMAR CUIDADO COM AS POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES!

    ResponderExcluir